banner_cabe750x100

Prefeito faz apelo aos vereadores para aprovação rápida de Projeto de Lei para compra de máquinas

foto André Grandi

27/09 – O Projeto de Lei nº 37, que autoriza o Executivo itauense a contratar com o BDMG (Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais), até o montante de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), destinados à aquisição de máquinas e equipamentos, estava para ser votado ontem (26) pela Câmara Municipal, porém, dependia da aprovação de Requerimento para tramitar rapidamente, em regime de Urgência Especial.

 

Quando em votação, este Requerimento foi reprovado, com 5 votos contrários, dos vereadores Donizetti Amorim, Gilmar Chaves, Juliana Mattar, Matheus Vilela e Oberdan Faria. Dois vereadores votaram a favor, sendo eles Antônio Nunes e Denis Magalhães. Houve ainda uma abstenção, a do vereador Roberto Vieira.

 

Com a reprovação deste Requerimento, a votação do Projeto de Lei nº 37 foi retirada das pautas das duas sessões desta terça-feira (26).

Repercussão na região

A Câmara Municipal de Itaú de Minas rejeitou o pedido de urgência para a votação do projeto de lei que autorizava a prefeitura a celebrar operação de crédito até o valor de R$ 1 milhão com o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais. O montante seria destinado à compra de máquinas e veículos pesados para a cidade. O município tem até sexta-feira, 29, para firmar o financiamento com o BDMG.

Segundo a administração, seriam adquiridos uma Pá Carregadeira, Retroescavadeira, Mini-Carregadeira e um caminhão de lixo para o município. O prefeito Ronilton Gomes Cintra se disse surpreso com a votação, uma vez que o veículo para a coleta de lixo foi um pedido dos próprios vereadores.

Em protesto ao resultado da votação, os operadores do maquinário estacionaram os veículos na porta da prefeitura. Entre os caminhões, tratores e escavadeiras, praticamente todos apresentam péssimas condições de uso, como um caminhão em que volante e o painel podem ser soltos sem muito esforço, ou outro em que uma garrafa pet serve de tampa para o tanque de combustível.

Hoje, a coleta de lixo no município é feita com uma carroceria improvisada em um trator, não existindo um compartimento seguro para os garis que utilizam o veículo para trabalhar. Segundo o operador Alex Silva, a segurança das máquinas do município hoje oferece risco não apenas aos que as utilizam, mas também à população em geral e confessou ter medo de trabalhar. “Sem condição. A gente trabalha dentro da cidade, então é carro, criança passando e não tem pneu, não tem cinto de segurança, nada. Uma máquina dessa não oferece um serviço de qualidade e você fica com medo de machucar a si mesmo ou alguém”, contou.

“Acho uma falta de respeito não só com os operadores, mas também com o cidadão itauense. Essas máquinas não são pra mim, e sim pra população. Se os vereadores ficassem lá na oficina eles iam ver o tanto que elas quebram”, disse o trabalhador sobre a decisão da Câmara.

Segundo o prefeito, a justificativa dos vereadores foi de que o momento é de crise econômica e de que a cidade não poderia arcar com as parcelas. Porém, segundo a administração as prestações seriam de menos de R$ 30 mil mensais e que Itaú de Minas gasta, atualmente, valor bem próximo com a manutenção de uma frota sucateada.

De fato, desde janeiro, o município gastou com a manutenção apenas de maquinário pesado, excluindo caminhões e veículos de pequeno porte, R$ 133 mil, uma média de R$ 14,7 mil por mês, só até setembro.

Segundo o chefe da procuradoria jurídica do município, Pedro Henrique de Pádua Nunes, semanalmente, a prefeitura recebe requerimentos do Legislativo para obras que, frequentemente, sofrem atrasos por falta de maquinário disponível. “O prefeito ofereceu uma solução para corrigir esse problema e oferecer um serviço de qualidade a um custo que já existe para o município. A administração já arca com esse valor, só que em forma de manutenção”, disse.

Para a administração, a decisão dos vereadores foi claramente política. “Quando a câmara é convocada a resolver o problema ela simplesmente adota um voto estritamente político, para o prejuízo da população, em uma queda de braço com o Executivo”, disse Pedro Henrique, que ainda completou que o empréstimo do BDMG, que seria pago em 54 parcelas, hoje é a única forma do município adquirir o maquinário.

O prefeito Ronilton lamentou o posicionamento da Câmara e pediu para que os vereadores repensem o voto. “Não é uma dívida a longo prazo e nós vamos pagar praticamente 90% no meu mandato. Que eles tenham a grandeza de repensar, que raciocinem e vejam que fizeram uma coisa incoerente e voltem atrás”, disse.

Câmara
Com cinco votos contra, uma abstenção e apenas dois votos a favor, dos vereadores Antônio dos Reis Nunes e Denis Magalhães, o Legislativo derrubou a urgência da votação para a aquisição de maquinário. O presidente da Câmara, Davi Oliveira Sousa, disse que apesar de não ter votado também é contra o financiamento do BDMG.

Segundo Sousa, em tempos de crise, a cidade tem outras prioridades e acusou a administração de não conseguir honrar os compromissos até aqui assumidos. Ele não acredita que aconteça outra reunião extraordinária para uma nova votação e que se houver votará contra.

O vereador disse que falta confiança do Legislativo em colocar R$ 1 milhão nas mãos da administração municipal e que o projeto foi colocado de forma impositiva aos vereadores. Segundo Davi, a escolha por um caminhão de lixo foi decidida de última hora pela prefeitura. Já o Executivo ressaltou que o veículo não estava previsto pois existe uma negociação com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para receber o veículo.

Davi também comentou que os veículos passam por tanta manutenção por mau uso, e que a prefeitura logo sucatearia a nova frota.

Pedro Carozzi – Folha da Manhã

O prefeito Ronilton Gomes Cintra falou com nossa reportagem na manhã de hoje (27), fazendo um apelo aos vereadores para que revejam esta situação e votem, aprovando o mais rápido possível esta matéria, caso contrário, o município perderá esta oportunidade de adquirir máquinas e equipamentos, já que o prazo para envio de documentação para a contratação do financiamento vence nesta sexta-feira, dia 29.

 

 

Davi Sousa, presidente da Câmara, também falou com nossa reportagem.

 

URL curta: http://boanovacj.com.br/radioboanova/?p=7883

Publicado por em set 28 2017. Arquivado em Cidade, Notícias, Politica, slider. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Comentários e pings estão desabilitados.

Os comentários estão desabilitados!

bannerexperiencia300x420

Links em Destaque

    Procurar Arquivo

    Busca por Data
    Busca por Categoria
    Pesquise no Google

    Imagens

    bannerradio_onlineandroid